TÓPICOS

Os agricultores familiares são fundamentais para o desenvolvimento territorial e o combate à fome na América Latina e no Caribe

Os agricultores familiares são fundamentais para o desenvolvimento territorial e o combate à fome na América Latina e no Caribe


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Empoderar as mulheres na agricultura familiar na América Latina e no Caribe é uma das chaves para a região promover o desenvolvimento territorial e alcançar seu objetivo de erradicar a fome e a pobreza rural, disse a FAO após a Conferência sobre Mulheres Rurais no Ano Internacional da Agricultura Familiar, realizada em Brasília, Brasil.

O Ministro do Desenvolvimento Agrário do Brasil, Miguel Rossetto, destacou durante a Conferência que uma sociedade igualitária é, em parte, resultado da luta das mulheres pelo acesso aos direitos: “No meio rural do Brasil há um crescimento muito grande neste lutar por direitos iguais. " (fonte: MDA Brasil)

Soledad Parada, consultora de gênero da FAO, destacou que a agricultura familiar constitui o segmento mais importante da produção regional de alimentos e que as mulheres são fundamentais para seu desenvolvimento: “Há 58 milhões de mulheres vivendo nas áreas rurais de nossa região, e muitas delas enfrentam situações de desigualdade econômica, política e social ”, explicou.

A FAO defendeu que a igualdade de gênero seja uma prioridade política do mais alto nível na região e destacou, neste sentido, que as recomendações emanadas da Conferência serão insumos para o Plano de Ação 2015 da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribeños, CELAC.

Claudia García, Vice-Ministra da Igualdade e Não Discriminação do Ministério da Mulher do Paraguai, disse que os países estão caminhando juntos para promover a igualdade de gênero: “Precisamos construir políticas para as mulheres em nível internacional”, afirmou. (fonte: MDA Brasil)

“A igualdade de gênero deve ser assumida como uma bandeira da luta política no mais alto nível. A fome já faz parte dessa agenda e seus resultados estão à vista: nossa região foi a única no mundo a atingir, antecipadamente, a meta da fome dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ”, explicou Soledad Parada.

Declaração de Brasília

A Declaração de Brasília emitida por mais de cem representantes de vinte e cinco países destaca que, (...) As mulheres rurais desempenham um papel importante na preservação da biodiversidade por meio da conservação de sementes, na recuperação das práticas agroecológicas e na garantia da soberania e segurança alimentar na produção de alimentos saudáveis ​​(...).

A Declaração reconhece os avanços importantes nas políticas públicas e na implementação de novas instâncias institucionais nos Estados e na região para promover a igualdade de gênero na América Latina e no Caribe.

Nesse sentido, o Ministro Rossetto destacou que o Brasil avançou em seu compromisso com as organizações produtivas das mulheres e a igualdade de gênero no meio rural, por meio de políticas específicas para elas, como o acesso à terra e a obrigatoriedade de 50% dos serviços de assistência técnica prestados. mulheres como recipientes.

Segundo a FAO, as mulheres rurais fazem contribuições transcendentais para a segurança alimentar e nutricional de todos os países da região, embora ainda não tenham sido plenamente reconhecidas em termos de políticas e programas específicos dirigidos às mulheres rurais na agricultura familiar.

Os participantes da Conferência solicitaram aos Estados que promovam estratégias efetivas de empoderamento e promoção da autonomia da mulher rural e do cumprimento de seus direitos por meio de legislação, medidas administrativas e orçamentárias que garantam seu pleno exercício.

FAO


Vídeo: Cooperativismo da Agricultura Familiar (Junho 2022).